Terreiro de Umbanda do Pai Maneco, sábado, 24 junho de 2017

UMBANDA: AMOR, DOR OU DESTINO?

UMBANDA: AMOR, DOR OU DESTINO?

- Desde muito pequeno tive á oportunidade de saber o quanto os espíritos ajudam!
Nas primeiras horas de vida fui encaminhado para UTI, pois não conseguia respirar devido o problema respiratório que até hoje tenho, contudo muito mais sucinto. No primeiro momento de vida fui diagnosticado apenas com problema respiratório, com o passar das horas meus familiares estavam cada vez mais preocupados, minha avó procura o médico e perguntou- "O SR já fez todos os exames?" Não é necessário, o menino está com apenas crise respiratória, fiz apenas o de rotina, respondeu o doutor- Sendo que ele já sabia, apenas não tinha informado a família.
Minha amada avó solicitou que fizessem todos os exames possíveis, e depois de todas as analises feitas foi diagnosticado que estava com LEUCEMIA. Família completamente desesperada, sem saber para onde ir e o que fazer. Com o passar dos dias minha família e amigos estavam sem mais esperanças.
Minha avó era umbandista e conversou com meu pai, bem longe da minha mãe pois, além de não acreditar crucifica quem segue e disse- "Caio vamos ao terreiro comigo que amanha este menino estará bem melhor, afirmou.
Meu pai obedeceu sua mãe e foi correndo para o terreiro de umbanda do Tingui- Curitiba, chegando lá os trabalhos já tinham iniciado e quando ele entra no terreiro sem dizer se quer uma palavra o Sr Exu do Lodo, encorporado com um médium, já estava esperando- "Do meu filho deixe que eu cuido, disse o Exu" meu pai sem saber o que dizer apenas chorou... Pois tinha apenas adentrado naquele lugar mágico assim como sempre me diz, foi colocado no centro do terreiro e varias linhas de entidades continuaram os trabalhos que já iniciado quando nasci ou até antes, não sei.
Esta historia minha avó me contou algumas vezes porém sem detalhes, apenas dizendo que sobrevivi de uma doença muito grave. Um dia cheguei na casa dela e ela viu a minha guia de proteção e sem mais sem menos solicitou com que eu fosse atras do armário de roupas e pegasse tudo que lá estava, quando comecei a retirar os objetos fiquei completamente surpreso lá estavam guias de trabalho, bengala, fotos, cachimbos e uma carta com estes relatos que contei. Terminando a conversa pediu que guardasse tudo de novo dizendo que se alguém visse aquilo seria expulsa da igreja que hoje segue.
Hoje estou no terreiro sem nenhuma doença, desenvolvendo a mediunidade e sendo muito feliz, agradeço a todas minhas mães e pais que me adotaram e me receberam muito bem!
Não podendo esquecer da minha professora, hoje minha madrinha que me deu a oportunidade de fazer parte desta grandiosa e forte corrente.

Caio
Gira de Segunda-feira.

 

Categoria: Espaço do Médium.

Bandeira da Amizade