É amor, e não pressão! por Rafaela M. Rocha

Era uma gira de desenvolvimento e falávamos sobre um capítulo de Grifos do Passado, sobre as dúvidas dos médiuns: comportamento no terreiro, hora de entrar e de sair da corrente, enfim, está tudo descrito lá no texto de Pai Fernando e naquele dia fizemos uma discussão a respeito. Ao final, nosso Pai de Santo, Pai Jussaro de Ogum, nos propôs que o exercício de desenvolvimento mediúnico daquele trabalho fosse mais livre. Uma incorporação sem a indução do ponto de linha, para que a energia fluísse e permitisse a incorporação da linha qual sentíssemos no momento, favorecendo a força da intuição e desapegando um pouco do ponto cantado.

Pois bem, nossos irmãos da engoma então fizeram um toque simples e leve nos atabaques, na corrente fechamos nossos olhos e nos pusemos à disposição dos espíritos. Quando a gente vai sentindo, mesmo de olhos fechados, que o pessoal ao seu lado começa a sair dali, abrindo espaço na corrente, eles estavam tendo suas experiências. Foi quando comecei a pensar: bom, Pai Jussaro pediu para a gente deixar fluir, pensar numa linha, num espírito e mesmo sem ponto cantado deixá-los chegarem para a incorporação, é quando a coisa dispersa um pouco (e isso acontece frequentemente comigo!) e eu me questiono se isso significava optar por um espírito em detrimento de outro, quer dizer: eu incorporaria o caboclo de Ogum, mas a Preta Velha também é tão especial e faz tanto tempo que não a “recebo”; o Erê, tadinho, ia querer vir; e o Boiadeiro, meu Deus, como eu poderia deixá-lo de lado? E os irmãos de corrente trabalhando, indo ao meio e tendo suas experiências e minha cabeça, ali, a mil sem poder fazer opção por um. Como assim escolher um? Seria impossível!

Em seis anos como filha de corrente no Terreiro Pai Maneco (o que não é muito tempo mas também não tão pouco) eu sou recorrente no questionamento da pressão pela incorporação. Que esse é o vetor principal do trabalho na Umbanda, então a gente TEM que incorporar rápido e bem. Rápido e bem, quando a urgência do trabalho na gira exige, aos mais experientes e, principalmente, para quem atende consultas no toco. Não em um trabalho de desenvolvimento, onde a gente está posto exatamente a serviço da evolução como médium, das sensações que cada incorporação proporciona e também sobre como cada espírito se apresenta e se comporta para ser trabalhado nas giras semanais.

Essa onda de pensamento dura poucos instantes, e em meio a isso eu começo a sentir um abraço energético tão bom. De olhos fechados uma luz azul clara começa a se formar ao meu lado, na altura dos meus braços, é morna e a intuição se comunica comigo me explicando que é óbvio que eu não estou escolhendo uma linha e desprezando as outras, que todas as entidades quais eu lembrei. E mesmo as que não lembrei no momento, estão ao meu lado naquela hora e sempre com muito amor, me embalando e acalmando também para alinhar minha concentração a fim de exercitar o proposto para a gira. Me mostravam que não existe pressão por desempenho, que não é uma corrida ou um campeonato, tampouco que estou esquecida para eles. Essas coisas que a gente pensa…é: quando a energia mágica que vem dos viajantes marítimos se aproxima de mim, alterando meus movimentos e minha feição, a ponta dos dedos se colocam na fronte e saímos pelo terreiro compreendendo ao menos um pouco desse amor gigantesco que está em toda energia que trabalhamos em nossa casa.

Rafaela M. Rocha

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.