Terreiro de Umbanda do Pai Maneco, terça-feira, 22 agosto de 2017

02 - Os Orixás da Umbanda

Ah papai, gostei da Umbanda. Quando eu crescer mais um pouco eu quero ir pra gira com você, mas eu quero a minha
faixa cor-de-rosa.

Calma filha, não é bem assim. Não escolhemos as cores que queremos. Cada cor representa um Orixá com o qual temos maior sintonia. O verde representa Oxóssi, o vermelho Ogum, o marrom Xangô, o amarelo Oxum, o laranja Iansã o azul Iemanjá e o branco Oxalá. Essas são as sete linhas da Umbanda praticadas no Terreiro do Pai Maneco.

O que é Orixá?
Orixá não é nem nunca foi uma pessoa, são vibrações da natureza. Os animais e as matas verdes de Oxossi, o ferro e o fogo de Ogum, as pedras de Xangô, as águas dos rios de Oxum, os ventos e tempestades de Iansã e os mares e oceanos de Iemanjá.

Mas e Oxalá? Ele não representa nenhuma vibração danatureza?
Oxalá são todas as energias juntas. Existe uma experiência que podemos fazer juntos. Chama-se “disco de Newton”. Pegue um papel e faça um círculo dividido em seis partes, como se fosse uma pizza. Pinte cada uma das “fatias” com uma das seis cores, agora faça um furinho bem no meio e coloque um lápis para servir de eixo. Agora é só girar o disco. O que aconteceu?

As cores sumiram... ficou tudo branco!
Viu só? Oxalá é união de todas as vibrações.

Então Oxalá é mais importante do que os outros Orixás?
Não. Todos são igualmente importantes, suas diferenças estão apenas na natureza de sua vibração, mas sem uma dessas energias, nenhuma estará completa.

Mas porque que no Terreiro tem imagens de Santos? Se os Orixás são apenas vibrações, não é verdade que não precisaria de nenhuma imagem?
Sim, é verdade. Na Umbanda existe o “sincretismo religioso”.

Sincre o que?
Sincretismo religioso. O Sincretismo religioso começou com a chegada dos escravos ao Brasil. Os escravos já praticavam o culto aos Orixás lá na África, em seus países de origem. Quando vieram ao Brasil, quiseram continuar com seu culto, mas aqui a religião dos senhores de engenho era o catolicismo e eles não permitiam que houvesse outro tipo de religião diferente da deles. Os escravos, muito espertos, escolheram um Santo católico para cada Orixá, assim quando eles estivessem rezando aos seus Orixás, os senhores de engenho viam apenas eles rezando aos
Santos da Igreja Católica e assim conseguiram continuar cultuando os Orixás.

Oxóssi é São Sebastião, São Jorge é Ogum, Xangô é São Jerônimo, Oxum é Nossa Senhora da Conceição, Iansã é Santa Bárbara, Nossa Senhora é Iemanjá e Oxalá é Jesus Cristo.

Entendi... Então cada imagem representa uma vibração, um Orixá. Mas eu vi que no altar tem outras imagens, de índios, de negros...
Na umbanda não chamamos de altar, chamamos de Congá.

Essas outras imagens que estão no Congá, são de entidades que trabalham no terreiro. Entidades são espíritos de pessoas que viveram na terra.

São espíritos de Índios, os Caboclos e Caboclas; de Pretos e Pretas-Velhas, que foram escravos e de crianças, os Erês. Esses três grupos representam o triângulo de base da Umbanda: a força dos Caboclos, a sabedoria dos Pretos-Velhos e a inocência das Crianças.

Existem outras entidades, os Exus e as Pomba-Giras, os Marinheiros, os Boiadeiros, os Baianos, os Ciganos, a Linha do Oriente entre outras.

Assim como nós, cada uma dessas entidades também está em evolução, trabalhando com caridade, para a
paz e para o amor. Essa é a essência da Umbanda: paz, amor e caridade.

Me explica mais sobre as entidades...

Os Caboclos
A palavra Caboclo, significa mestiço de branco com índio, mas na Umbanda chamamos a todos os índios e índias, de Caboclos e Caboclas. Eles são os brasileiros de verdade, os primeiros habitantes do Novo Mundo. Quando Cristóvão Colombo chegou à América em 1492 e os portugueses chegaram aqui em 1500, eles já viviam havia muito e muito tempo por estas terras.

Os Caboclos podem se apresentar em diversas vibrações, como o Caboclo Akuan, que é de Ogum; como o Caboclo Pena Branca, que é de Oxóssi; a Cabocla Jandira, de Iemanjá etc...

Olha só essa mensagem que o Caboclo Sete Flechas passou:

A vida espiritual está em cada um esperando para acontecer. A todo instante temos isso nas situações do dia-a-dia e pensamos ser isso natural, normal, e que estava mesmo para acontecer.

A todo o passo dado nessa jornada, nos é mostrado um caminho de luz. E por mais simples que possa parecer a situação em que nos envolvemos, ele traz um feixe de luminosidade em direção aos verdadeiros caminhos.

Esse caminho de luz é aberto a todos, iniciados e iniciantes, no descobrimento dos passos que damos em nossa jornada para a vida maior, que é o encontro de nós mesmos. Ele sem dúvida nos leva à paz interna, à boa intenção e ao amor verdadeiro.

Pretos e Pretas Velhas
Nem sempre os Pretos-Velhos foram escravos quando estiveram encarnados, às vezes alguns espíritos assumem essa imagem para poder se comunicar melhor com aqueles que os procuram em busca de ajuda, pois a sabedoria de um Preto-Velho é indiscutível e a esperteza que eles têm, nos mostra com clareza os caminhos que devemos seguir.

Olha só que bonita essa homenagem à Vó Maria Conga:

Na simplicidade de uma aldeia, numa casinha de barro e bambu, uma pessoa bondosa e amiga a todos encantava, passava o dia com seu rendado, bordando estrelas que o céu nos presenteava. A todos atendia com carinho e sempre tinha uma palavra amiga, para curar e aliviar os necessitados. Seus olhos brilhavam como duas jóias preciosas, cheios de amor e bondade.

Nas noites tranqüilas, ouvia-se sua voz, seu canto, buscando na força da natureza, a energia para dar paz àqueles que a procuravam. Com a arruda ela rezava e com a tesoura cortava o olho grande e as doenças, assim como fizeste comigo, minha adorada Vovó Maria Conga, Preta-Velha querida que anda pelos caminhos da vida.

Que lindo papai!

Erês
Os Erês são os espíritos que se manifestam sob s a forma de crianças. Também são chamados de Ibeijis,
Curumins, Exus mirins etc...

É uma entidade tão importante quanto qualquer outra dentro do Terreiro.

Vindo nos visitar sempre com muita alegria, são espíritos muito festejados, inclusive na Igreja Católica, com os Santos São Cosme e São Damião.

No dia de sua festa costuma-se distribuir doces e balas às crianças, como homenagem à esses irmãos. Olha só que lindo o ponto cantado das crianças:

Criança Erê, criancerê.
Pra receber uma graça,
eu vou fazer, numa praça,
uma homenagem à você

Ê Erê, o que mais quer Erê?
Erê quer o que?
Quero mais bala,
Vamos jogar bola,
Acende uma vela,
Me leva pra escola
E nunca na vida nos deixe sozinhos.

Queremos comida
e muito carinho,
brinquedos e bebidas
pra alegrar o nosso ninho,
e nunca na vida nos deixe sozinhos
e nunca na vida nos deixe sozinhos
e nunca na vida nos deixe Painho!
Ê Erê.”

Linha do Oriente
A Linha do Oriente é uma linha específica de cura. Não quer dizer que as entidades que trabalham nessa linha sejam todas do Oriente. É apenas a vibração de cura. Povos orientais muito antigos, como os egípcios e os indianos, já evoluíram muito ao longo dos anos e já fazem parte dessa vibração.

Várias entidades podem fazer parte dessa linha, mas não costuma-se dar nomes a elas. Todas que trabalham nessa linha estão aqui para nos curar de nossas doenças espirituais e materiais.

Eles são como médicos espirituais?
Exatamente! Assim como aqui na Terra vamos consultar médicos encarnados, lá no Terreiro vamos consultar médicos desencarnados. A diferença é que os médicos da Terra não sabem curar muitas doenças que estão, ou são, do espírito.

Exus e Pomba-Giras
Muitas vezes os Exus e as Pomba-Giras são confundidos com entidades do mal, isso se deve muito ao preconceito que a Umbanda sofreu e ainda sofre, causado muitas vezes por aquelas pessoas que praticam outros tipos de Umbanda, ou outras religiões que não acreditam nos espíritos.

Um Caboclo uma vez disse que fraternidade é a união sem fusão e separação sem distinção, ou seja, é trabalhar em conjunto, cada um com sua crença, sem discriminar essa ou aquela religião, utilizando o melhor de cada uma.

Os Exus e as Pomba-Giras são nossos amigos em evolução, são pessoas que viveram aqui na terra, nos mais variados cargos e posições sociais. Eles nos dão proteção e sempre nos ajudam quando precisamos.

Sua função principal é trabalhar junto aos guias superiores, aos espíritos mais evoluídos, nos guardando e também nos guiando para nosso sucesso. São grandes amigos e sempre estão por perto para nos ajudar no que precisarmos.

Num trabalho de mata daqui do Terreiro, o Exu Caveirinha disse:

Dizem muito por aí que Exu é das trevas. Já é hora de mudar isso! Exu não é das trevas, Exu vai às trevas, o que é bem diferente. Vim aqui hoje, com a permissão de Oxóssi, para provar que o sol, a mata, o rio, a natureza, também fazem parte dos meus domínios, do domínio dos Exus.

Vamos fazer o seguinte filha: na próxima segundafeira você vai comigo pro Terreiro e lá eu vou te mostrar mais a respeito da Umbanda, que tal?

Oba!!!

Bandeira da Amizade