Terreiro de Umbanda do Pai Maneco, domingo, 20 agosto de 2017

Curso Restauro de Imagens

por Eliane Domingues S. Oliveira.

Quando comecei o Curso de Restauração de Imagens, ministrado pelo professor Rodrigo Jamur, pensava em aprender as técnicas de restauro - e na verdade estou aprendendo muito mais que isso.

Paciência, para lixar, refazer, lixar, reconstruir, lixar, pintar, lixar, secar e pintar.

Humildade em não julgar e reconhecer a arte e trabalho do artista original, aquele que fez a peça, e a minha condição de somente restaurar.

Aprendi também a respeitar o contexto histórico das pessoas, seres ou divindades que têm suas imagens eternizadas, como Santa Bárbara, que era filha de família pagã e foi decapitada por seu pai, por optar pela fé cristã. O pai morreu, após consumar o ato, pela queda de um raio. Na Umbanda é Iansã e seu dia é 4 de dezembro. É padroeira da Artilharia do Exército e invocada contra tempestades.

E a estudar como as imagens são representadas na sua forma oficial, suas cores e seus símbolos. Santa Bárbara, por exemplo, possui em uma das mãos um cálice, como símbolo de proteção aos que estão morrendo, e na outra a espada, que lhe causou a morte.

A perseverança passou a me ensinar porque, apesar de tudo, da minha imperícia e condição, o professor Rodrigo está lá, toda terça-feira,     das 19h às 22h, passando o segredo de sua arte que não está em livros ou na internet.

O importante é que a imagem restaurada, com zelo e amor, como o próprio artista original a concebeu, volta a servir, a desempenhar seu esplendor de fé.

O curso, enfim, é, além da técnica: paciência, humildade, respeito, estudo, conservação de memória, de fé, perseverança, zelo e amor! Venha aprender, comigo, ainda restam algumas vagas.

Editorias: Cultura.

Bandeira da Amizade